Galos, noites e quintais

A bela canção do poeta Belchior, cujo título plagiei sem nenhum pudor, traz o refrão “Eu era alegre como um rio/Um bicho, um bando de pardais/Como um galo, quando havia/Quando havia galo, noites e quintais”. Pois é, eu também era…

Leia maisGalos, noites e quintais

Meu eu interior

– O senhor está dezessete anos atrasado! – disse a gastroenterologista, enquanto preenchia, sem qualquer sinal exterior de pesar, uma requisição para o exame de colonoscopia. Ela disse que esse acompanhamento intestinal deve ser feito a partir dos cinquenta anos,…

Leia maisMeu eu interior

Tá na garagem!

Tive uma infância pobre, mas remediada, digamos assim. Nunca nos faltou arroz e feijão à mesa; já a mistura, dependia do dia. Carne de boi era coisa rara, mas sempre havia ovo frito, linguiça, às vezes, frango; outras, peixe, no…

Leia maisTá na garagem!

A natureza é mãe mesmo

A vida sempre se renova. Nem sempre, no entanto, prestamos atenção ao que está nascendo e crescendo na natureza. Parece tão natural, corriqueiro, que não valorizamos coisas tão marcantes quanto o verdejar de uma árvore antes seca, sem folhas e…

Leia maisA natureza é mãe mesmo

Límpidos olhos verdes

Tive uma agradável surpresa ao dar uma passada pelo supermercado, numa destas manhãs: colocaram uma menina lindíssima no caixa. Em torno de vinte anos, longos cabelos castanhos ondulados, límpidos olhos verdes e um sorriso perfeito de dentes perfeitos. E colocaram…

Leia maisLímpidos olhos verdes

Do lado de lá

Sonhei que tinha morrido e que fui recebido pelo chargista Frank Maia na portaria do local para onde vão os desencarnados. Ele estava lá há mais de ano. Fiquei feliz por encontrar uma cara conhecida, que podia ajudar a me…

Leia maisDo lado de lá

O homem do saco

Sei que para muita gente isso vai parecer apenas uma figura mítica – a personificação do medo infantil, como o ‘boi-da-cara-preta’ e o ‘bicho-papão’ – mas duvido que algum de meus selecionados leitores não tenha conhecido, em sua remota infância,…

Leia maisO homem do saco

Caminhando e cantando

Sempre gostei de caminhar, desde criança. Morava em Pirituba, a um pouco menos de cinco quilômetros do Pico do Jaraguá, e fazia o trajeto de ida e volta ao parque, a pé, pelo menos duas vezes por semana. Quando adulto,…

Leia maisCaminhando e cantando

A síndrome do ex-

“A vítima relatou que estava fazendo compras quando sua antiga mãe de santo, por não aceitar a saída dela do terreiro, começou a agredi-la acompanhada de outras pessoas”. O grifo, ou o negrito, é meu. Foi a forma de acentuar o…

Leia maisA síndrome do ex-