Apelidos

Minha amiga Camila postou no Instagram uma foto com sua gata e chamou-a de “dona Chacrona debochada…” Estranhei e perguntei: “O nome dela não era Craco?” Camila confirmou, mas ressalvou: “Chacrona é o apelido.” Fiquei pensando: por que a gente…

Leia maisApelidos

Todas as vidas importam

Há anos, procuro a alma dos mais amados, sumidos no mundo pós-vida: vovó Cora, papai Rúbio, tios, primos, amigos. Sinto a aura, mas não consigo tocá-los.  Histórias antigas passam por mim, como a luz do sol. Dão calor, a cada…

Leia maisTodas as vidas importam

Tô indo pra Nárnia!

Levo na bagagem somente o que ouso e posso carregar; o resto são pérolas, palavras ao vento, que não dou aos porcos. Eles que cacem seu próprio alimento… Nada sei quanto aos demais, mas eu cansei. Basta de dar com a…

Leia maisTô indo pra Nárnia!

In dubio…

Tive um sonho. Ou melhor, um pesadelo. Talvez por causa dessa indefinição sombria de nosso presente/futuro político, onde proliferam obscurantismos e retrocessos, foi um sonho muito vívido. Mas, voltando à linha principal da narrativa, tive um pesadelo. Nele, nós estávamos…

Leia maisIn dubio…

Meu herói!

Tive de chegar mais perto para descobrir que aquele objeto meio disforme boiando na piscina era uma borboleta. Ela estava imóvel, pousada levemente sobre as águas, as asas em pandarecos. Calculei que suas asas destruídas, como roupas velhas corroídas por…

Leia maisMeu herói!

Eu, escória do jornalismo

No início de minha carreira, no final dos anos 1970, após ter passado pela revisão do Grupo Folhas e pela Folha Metropolitana, de Guarulhos, retornei à Agência Folhas para trabalhar no plantão da madrugada, da 1 às 7 da manhã.Nossas…

Leia maisEu, escória do jornalismo

O fotógrafo abre-alas

Tínhamos na redação da revista Agora! (Editora Três, 1984-1985) um fotógrafo (cujo nome não vou citar) que usava uma artimanha, uma espécie de jogo de palavras, para franquear nossa entrada em locais onde normalmente a imprensa não era bem-vinda, especialmente em prontos-socorros…

Leia maisO fotógrafo abre-alas

Cala a boca, animal!

Seu Joênio, meu vizinho aqui em Florianópolis, tinha um cachorro que era mais ardido que uma colher cheia de carolina reaper curtida no vinagre de álcool: latia o dia inteiro, com direito a hora extra e adicional noturno, e tinha a estranha…

Leia maisCala a boca, animal!